.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ALei dos sentidos

. Artes do Futuro

. Desconfiguração

. Tens os Olhos de Deus

. Agora Nunca é Tarde

. Os dois pretitos da minha...

. Ultimatum

. A noite Alastra

. Naufrágio do navio-motor ...

. Terra, Vida, Saber, Ser.

. Negrume de fogo

. Aventais Bordados

. Mulheres do mar.

. Quem és tu?

. República

. Dia mundial do sorriso

. População em sobressalto

. Panama Papers

. Mãe

. O vento sopra do Sul

. Retimbrar Voa Pé (cá fora...

. Jealous whores

. Acorda, Humanidade!

. Crise, qual crise?

. Aluguei o sótão a um inqu...

. High Hopes

. Vermelho Erectus ...

. Jesus Christ Superstar - ...

. Sem à dita de Aquiles ter...

. Ser ou não ser

. Novo endereço

. Led Zeppelin

. Poesia de Eunice Pimentel

. E o jornalismo de investi...

. Mondego

. Homens à Beira-Mar

. Ser decente

. Balada astral

. Dez réis de esperança

. Morreu Nelson Mandela

. O Associativismo

. Walk on the Wild Side (in...

. AbraMia

. Sua solidão nos fosse can...

. Isto é sempre o mesmo ......

. O ser emocional ...

. Hilotas e periecos

. Criança balança na pança ...

. The Loner

. Fado Loucura

.arquivos


.Pescadores, Cédulas marítimas

.tags

. todas as tags

painel06
... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira de espécies saltitantes e ...
corda01
Segunda-feira, 9 de Julho de 2012

Poema desconexo, por encomenda ...

 

Desse outro lado do mar

 

Desse outro lado do mar nas ondas vejo

Teu lindo corpo de sereia ondulante.

De tule coberto, sedento de desejo

Despertando-me neste fogo rejubilante.

 

De lá, do horizonte, diáfana, para mim voa

A linda morena Índia, - eu estou na lua!

Ah, … meu coração salta neste peito à toa,

Vislumbrando a rosa vermelha na tez nua.

 

Que este lânguido e quente sol faiscante

Nos inunde e afogue em plena intensidade.

Nos funda e refunda! – E, neste desejo cante

 

O estertor martelado e forte de outra idade.

E o pulsar ribombante para além da razão

Jorre em frémitos ardentes na carne nua!

 

João Pita / 2010

tags:
publicado por João Pita às 23:20
link do post | comentar | favorito
Caravela Sagres St MManuela e Creoula

.João Pita

gazelap-01