.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ALei dos sentidos

. Artes do Futuro

. Desconfiguração

. Tens os Olhos de Deus

. Agora Nunca é Tarde

. Os dois pretitos da minha...

. Ultimatum

. A noite Alastra

. Naufrágio do navio-motor ...

. Terra, Vida, Saber, Ser.

. Negrume de fogo

. Aventais Bordados

. Mulheres do mar.

. Quem és tu?

. República

. Dia mundial do sorriso

. População em sobressalto

. Panama Papers

. Mãe

. O vento sopra do Sul

. Retimbrar Voa Pé (cá fora...

. Jealous whores

. Acorda, Humanidade!

. Crise, qual crise?

. Aluguei o sótão a um inqu...

. High Hopes

. Vermelho Erectus ...

. Jesus Christ Superstar - ...

. Sem à dita de Aquiles ter...

. Ser ou não ser

. Novo endereço

. Led Zeppelin

. Poesia de Eunice Pimentel

. E o jornalismo de investi...

. Mondego

. Homens à Beira-Mar

. Ser decente

. Balada astral

. Dez réis de esperança

. Morreu Nelson Mandela

. O Associativismo

. Walk on the Wild Side (in...

. AbraMia

. Sua solidão nos fosse can...

. Isto é sempre o mesmo ......

. O ser emocional ...

. Hilotas e periecos

. Criança balança na pança ...

. The Loner

. Fado Loucura

.arquivos


.Pescadores, Cédulas marítimas

.tags

. todas as tags

painel06
... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira de espécies saltitantes e ...
corda01
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2015

Jealous whores

 

Eu, para aqui a ouvir esta maravilha e dá-me o pensamento para desalojar da memória a conversa com o velho Mauricio, conhecido por todos como "o mimo do sapato", engraxador dos Aliados.

- Ai, você, com que então, é figueirense. Conheço bem a Figueira. Fui lá muitas vezes em passeio, quando era mais novo, com a familia. Uma das vezes ficamos por lá quatro dias na pensão Demétrio. Acho que é assim que se chama, já não tenho a certeza.

- Olhe, sinceramente não faço a minima ideia - retorqui já meio interessado no desfiar da conversa.

- Naquele tempo tinha uma boa vida, um emprego efetivo nas caves e ainda morfava uns trocos aos turistas ali pela ribeira, ganhava bem. Depois, a partir dos cinquenta é que foram elas e bem duras. Estes pulmões deram cabo de mim e da minha vida. Deixei de poder trabalhar e o que me vale é esta ocupação de engraxador.

Senti-lhe o olhar perdido num qualquer horizonte e admirei-me ao reparar no maço de tabaco no bolso da camisa.

- Deve estar todo inchado com o prémio Leya deste ano atribuido a um escritor figueirense - atirou-me.

- É verdade amigo - disse eu intrigado com o virar repentino do tema da conversa e sentindo o peso do seu olhar interrogativo.

- Olhe que aqui o Mauricio é engraxador mas gosta de ler uns livritos e esse vosso António Tavares sabe o que faz. Já o li - o Coro dos Defuntos - e tocou-me fundo a forma como ele fala das nossas coisas com aqueles termos tão nossos do povo da provincia.

- Sim, é verdade também já o li e tive necessidade de recorrer ao dicionário para entender o significado de muitos desses termos. Vou dar-lhe uma novidade; tenho o privilégio de o conhecer pessoalmente.

- Ora ai está uma coisa que invejo. Poder conhece-lo para lhe pedir um autógrafo no livro.

Fiquei em silêncio observando o brilho em crescendo das botas e a agilidade do pano de lustro.

- Por falar em inveja ... - olho-o e ele continua.

- Já lho disse, conheci bem a Figueira e, se continua na mesma como era, ele que se ponha a pau com a inveja de ditos eruditos que por lá cigarreiam. No outro dia pedi ao meu neto mais velho que me ajudasse a pesquisar na internet sobre o autor e dei de caras com uns morcões de uns bloguistas, ou blogueiros, ou, sei lá como se chamam, a desancar no homem "concuminados" que até doia. Aquilo cheirava a invejice e a dor de corno que tresandava, carago!

Olha-me, sorrindo do meu espanto e diz-me:

- Prontos, já estão um mimo. Eu não lhe disse?

Paguei, desejando-lhe Boas Festas.

Baixo os olhos ao levantar-me e quase me sinto o reflexo nas botas. Saio dali a pensar:

Sábio, sábio é o povo, ó morcões!

 

publicado por João Pita às 00:17
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Rendadebirras.blogspotl.com a 2 de Janeiro de 2016 às 18:38
Olá Sr. João Pita


Estou a escrever  pela "vez primeira"... mas já há tempo que visito o Blog. Gosto deste espaço; leio sem pressa e  aprecio.


Este, um tema muito bem construido. " O engraxador não sofria de frustração..."


Cumprimentos.
Dilita
  

Comentar post

Caravela Sagres St MManuela e Creoula

.João Pita

gazelap-01