.pesquisar

 

.arquivos

.posts recentes

. De onde provimos

. Tá quietinho e caladinho

. então ninguém os segura

. Cova-Gala, um povoado e u...

. Está consumado!

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.Pescadores, Cédulas marítimas

.tags

. todas as tags

painel06
... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira de espécies saltitantes e ...
corda01
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

De onde provimos

...

Quantos em ti lagos e rios
Quantos em ti os oceanos
 
Água vermelha que aos ouvidos
traz o aviso
de nenhuns campos
 
É bom sondarmos os abismos
que nunca vão cicatrizando
 
E ao som da água pressentirmos
de onde provimos
aonde vamos
 ...

 

David Mourão Ferreira

 

 

publicado por João Pita às 00:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

Tá quietinho e caladinho

 

Qualquer analogia transposta para a realidade local, só poderá ser fruto da "alucinada imaginação" do autor (do post).

 

 

publicado por João Pita às 22:40
link do post | comentar | favorito
Domingo, 3 de Janeiro de 2010

então ninguém os segura

 

"...  se conseguirem começar a pensar pela sua cabeça, então ninguém os segura."
 

e eu acrescento;

se nos libertarmos das grilhetas mentais das pequenas e grandes invejas ...

então...

 

 

... seriamos autênticos e verdadeiramente grandes!

 

publicado por João Pita às 21:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

Cova-Gala, um povoado e um só povo... uma vila! (cont. 02)

 

 

Por concordarmos inteiramente com o aqui está escrito tomamos a liberdade de transcrever parte de um magnifico post do "Outra Margem".

 

...

 

"Fiquei pasmado, ao ter conhecimento desta frase do senhor presidente da junta: como é que se pode matar o que, segundo ele, nunca “existiu em lado nenhum”?...
Vamos, então, avivar a memória, sobre o que se passou há cerca de 40 anos na Cova e na Gala.
 
Estávamos em 1969. A rivalidade entre as povoações de Cova e Gala era bastante acentuada. Os Evangélicos, através do pastor Esperança chamavam a estas povoações de "Cova da Gala", o que foi continuado pelo Reverendo João Neto.
Nesta altura o Desportivo Clube Marítimo da Gala tinha acabado de perder o seu campo de futebol. A Câmara Municipal da Figueira da Foz tinha vendido o terreno, onde este se encontrava, á TERPEX.
Dois directores (José Vidal e Manuel Afonso Baptista) do Desportivo Clube Marítimo da Gala - Centro de Recreio Popular Nº72 - resolveram ir à Direcção Geral das Florestas e pedir ao sr. Engenheiro Gravato a cedência duma fábrica em ruínas que existia no Cabedelo. O sr. Eng. Gravato disse-lhes que podiam fazer o campo nessas instalações velhas, mas que teriam também de pedir a alguém na Casa dos Pescadores de Buarcos, visto eles se intitularem com direitos à dita fábrica.
Juntaram-se a estes dois directores mais alguns elementos, tais como Manuel Curado, Inácio Pereira e outros ligados ao sector da pesca. Atendidos pelo sr. Tomás, este disse estar na disposição de ceder as instalações, tanto mais que ambas as entidades as reclamavam para si e assim a partir dessa data ficariam para as povoações de Cova-Gala.
Estando este caso esclarecido, foi então feito um peditório pela povoação para o aluguer duma máquina de terraplanagem, a qual serviu também para o início da abertura duma ligação à praia da Cova (hoje Rua do Mar) e outros caminhos. Os primeiros montes de solão, cedidos pelo sr. Manuel Paralta (padeiro) vieram de Lavos, trazidos por batéis para a borda do rio e dali carregado para o campo de futebol.
Era o princípio do fim da rivalidade que existia entre a Cova e a Gala. Foram tempos difíceis para se avançar com a feitura do campo. O solão não havia em abundância e o saibro também não estava muito em uso. Foi preciso esperar mais alguns anos, até que alguém, com vontade férrea de vencer estas rivalidades fez vingar a ideia da vivência pacifista. Foram eles, os fundadores do Grupo Desportivo Cova-Gala. Foram eles, que mais do que construir um campo e uma equipa de futebol, tinham em mente a unificação total destas duas povoações.
O DESPERTAR DE UM SONHO
- Há muitos anos que a rivalidade entre a população de Cova e Gala existia. O povo andava cansado de tantas zangas e invejas. Os da Cova sentiam certa altivez por parte de quem vivia na Gala. Os da Gala, na verdade, sentiam-se superiores na educação e trato. Era tempo de mudar este estado de coisas. Estávamos em 1966. Ambos, o Desportivo Clube Marítimo da Gala (representando a Gala) e o Clube Mocidade Covense (representando a Cova) tinham um Rancho Folclórico. Raramente estes ranchos se encontravam para cruzar estandartes. Neste dia o Rancho do Marítimo tinha saído de manhã, mas tinha ordens para se apresentar na sede do Clube logo após o almoço, para uma pequena festa. O Rancho do Covense iria sair durante a tarde e iria passar em frente à sede do Marítimo da Gala ... nesta altura só cinco pessoas sabiam o que iria acontecer nessa tarde. Com a aproximação à sede do Marítimo, do Rancho do Covense, que já estava a menos de 200 metros, o Rancho do Marítimo saíu da sua sede com intenção de cruzar estandartes. Neste ano, pelo Carnaval, dois elementos vestidos à “Zorro”, José Vidal e José Lima, previamente combinados, e com a ajuda do Manuel Penicheiro, João Come-nabos e Manuel Catulo Pata obrigaram os ranchos a cruzarem os seus estandartes bem perto da sede do Desportivo Clube Marítimo da Gala, entrando neste em seguida. Ali dentro havia muitos bolos e vinho do porto para todos. O Rancho do Covense dançou e agradou. Houve muitas lágrimas e emoções! O povo, em si, saltava de contente. Foi um dia muito Feliz para toda a gente. Estava a renascer a fraternidade e o respeito mútuo. Enfim, Cova-Gala ! ...

...

 

Agora, Vila de São Pedro, uma criação oportunista de políticos, de fora e de dentro da Cova-Gala, é que não vai, de certeza, ser assimilada, e naturalmente aceite, como património natural e histórico dos descendentes dos ilhavenses – os verdadeiros fundadores da Cova, primeiro, e, cerca de 40 depois, da Gala."

...

 

Eu, assino por baixo.

 

Estamos, na Assembleia de Freguesia de S. Pedro e não só, a envidar todos os esforços para, repondo a realidade histórica, atenuar os efeitos de insatisfação, incredibilidade e divisionismo  que se instalou no seio do povo da Cova-Gala.

 

publicado por João Pita às 15:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 6 de Agosto de 2009

Está consumado!

 

"Lei n.º 58/2009 de 5 de Agosto

 

Elevação da povoação de São Pedro, no município da Figueira da Foz, distrito de Coimbra, à categoria de vila

 

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

 

Artigo único

 

A povoação de São Pedro, no município da Figueira da Foz, distrito de Coimbra, é elevada à categoria de vila.

 

Aprovada em 12 de Junho de 2009.

O Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama.

 

Promulgada em 20 de Julho de 2009.

 

Publique -se.

 

O Presidente da República, ANÍBAL CAVACO SILVA.

 

Referendada em 21 de Julho de 2009.

 

O Primeiro -Ministro, José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa"

 

 

Com a indiferença da maioria dos covagalenses.

Com a tremenda desilusão de alguns.

Com a enorme e jubilosa satisfação pessoal de muito poucos foi, por fim, consumado.

Que tremenda desilusão ter por base a incompetência ou, pior ainda, a premeditação.

 

Com tal base de sustentação, porque não; ... S. João, S. António, S. Francisco ou S. Simão?

 

P.S.

Este blog dá um prémio a quem encontar o POVOADO DE S. PEDRO no município da Figueira da Foz!

 

publicado por João Pita às 01:14
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Caravela Sagres St MManuela e Creoula

.João Pita