.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ALei dos sentidos

. Artes do Futuro

. Desconfiguração

. Tens os Olhos de Deus

. Agora Nunca é Tarde

. Os dois pretitos da minha...

. Ultimatum

. A noite Alastra

. Naufrágio do navio-motor ...

. Terra, Vida, Saber, Ser.

. Negrume de fogo

. Aventais Bordados

. Mulheres do mar.

. Quem és tu?

. República

. Dia mundial do sorriso

. População em sobressalto

. Panama Papers

. Mãe

. O vento sopra do Sul

. Retimbrar Voa Pé (cá fora...

. Jealous whores

. Acorda, Humanidade!

. Crise, qual crise?

. Aluguei o sótão a um inqu...

. High Hopes

. Vermelho Erectus ...

. Jesus Christ Superstar - ...

. Sem à dita de Aquiles ter...

. Ser ou não ser

. Novo endereço

. Led Zeppelin

. Poesia de Eunice Pimentel

. E o jornalismo de investi...

. Mondego

. Homens à Beira-Mar

. Ser decente

. Balada astral

. Dez réis de esperança

. Morreu Nelson Mandela

. O Associativismo

. Walk on the Wild Side (in...

. AbraMia

. Sua solidão nos fosse can...

. Isto é sempre o mesmo ......

. O ser emocional ...

. Hilotas e periecos

. Criança balança na pança ...

. The Loner

. Fado Loucura

.arquivos


.Pescadores, Cédulas marítimas

.tags

. todas as tags

painel06
... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira de espécies saltitantes e ...
corda01
Sábado, 27 de Agosto de 2016

Terra, Vida, Saber, Ser.

 

O velho pescador, sentado com os antebraços apoiados na pedra da falésia de fronte ao mar, desenhava.

Mirava o mar e desenhava. Pintava.

Quem por ali passasse distraído diria que pintava as ondas, o mar e o horizonte.

Puro engano.

Olhando com mais atenção via-se que desenhava a própria mão. O braço esquerdo apoiado no cotovelo, sobre-elevado em diagonal, mão ligeiramente descaída e os dedos arqueados em concha, formando com o polegar uma espécie de gruta, de nicho. Um abrigo.

Contornou e reforçou o desenho do polegar, da unha e realçou a aspereza dos calos que uma vida inteira de trabalho no mar, ali deixara testemunho.

No interior da concha de abrigo em que se transformara a sua mão, desenhou uma flor, um cravo. Inundada de luz vermelha refulgente, mas tão frágil, tão fugaz, tão suspensa.

O velho pescador descansou o lápis mirou uma vez mais a flor, o cravo e, de seguida, alongou o olhar para o mar. Aí se ficou, ao longe se perdeu.

Num sobressalto retoma o lápis.

Desenha frenético, na parte inferior do papel, um chão de terra castanha atapetado pelo “Funcho do Mar” e salpicada, aqui e ali, do verde do “Chorão-da-Praia”. À esquerda, meia dúzia de viçosos “Lírios das Areias” escondem o emergir da terra do braço e do pulso. Ao centro, mesmo por debaixo da falange do polegar, três pedras húmidas e juntas abrigam um tufo de “Madressilvas”.

 

No centro do papel, sob a mão e à sua sombra, desenha um livro entreaberto pelo meio. Repousa sobre a cruz de uma âncora - um ferro almirantado - cravada no chão de terra.

A haste desta âncora alonga-se por de baixo do pulso e entrelaça-se pelo cepo a uma enxada cravada na terra. O longo cabo da enxada eleva-se em diagonal por detrás da mão e aponta ao cimo.

O velho pescador pára de desenhar, olha o mar uma e outra vez e retoma.

Desenha agora os contornos da folhas do livro e o mesmo ganha volume e conteúdo.

Procura um lápis mais grosso e escreve nas duas páginas abertas:

 

Na da esquerda, em cima: Vida.

Junto ao rodapé: Ser.

À direita , no topo: Saber.

Lá em baixo: Terra.

 

Levanta-se agora o pescador, estica as pernas e as costas já doridas. Olha o papel a sua obra e mordisca o indicador direito pensativo.TerraVidaSaberSerWEB.jpg

Torna a sentar-se e desenha uma hera trepadeira. Nasce do chão húmido, sob o livro e rente ao ferro almirantado. Cresce e trepa sinuosa até ao alto, à ponta do cabo da enxada. A ele se enrosca uma, duas voltas.

Suporta uma enorme planta, sem flor, meio seca e com as raízes suspensas no ar.

No canto superior esquerdo traça a risco esparso um sol que inunda de luz e calor todo o desenho.

Não resisto mais, chego-me ao velho pescador, que há muito tinha, discreto, topado a minha curiosidade.

- Ó ti Zé, desculpe a curiosidade. Porque desenhou a planta meio seca, suspensa no ar e sem ter as raízes na Terra?

Sorriu, mirou-me fundo nos olhos, deu-me o desenho e disse:

- Toma jovem, é para ti.

Olha-o com atenção.

Quando souberes a resposta a essa pergunta volta aqui.

Vem ter comigo e acabamos de o desenhar juntos.

 

 

tags: , , ,
publicado por João Pita às 00:22
link do post | comentar | favorito
Caravela Sagres St MManuela e Creoula

.João Pita

gazelap-01