Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

corda01

Bom Ano Novo

Bom Ano Novo sem emojis, gIFs, luzinhas e afins

Este texto tem o simples objetivo de desejar um esplêndido – creiam, foi o melhor e mais grandioso adjetivo que me ocorreu – esplêndido, espetacular ANO NOVO de 2019. Já agora carregado à vergueira de saúde, dinheiro, felicidade e escrito com LETRA GRANDE, maiúscula, para reforçar e enaltecer este nobre, leal e amigo desejo.
Repararam no à vergueira?
Gostei de ter escrito “à vergueira”. Apesar de ser uma palavra em desuso gosto dela porque significa fartura de pescado, redes a rebentar pela boca, pronúncio de mesa farta e alegre e tem o condão de me fazer recuar no tempo, imaginar quem aqui pelo mar chegou, nestas dunas se abrigou e se desenvolveu enquanto povo.
Eu disse “nestas dunas”?
Pois disse e se disse está dito, mas está mal-amanhado, porque de dunas já não temos quase nada. Quanto muito a saudade imaginativa da lembrança. E, aqui, olhando o mar da Cova neste dia solarengo e de mar manso que mais parece um enorme lago, não consigo imaginar a força poderosa e destruidora que o leva a provocar tamanha erosão que nos vai roubando as dunas a cada ano que passa.
Pois é, eu sei, isto não é assim tão simples!
Temos de colocar nesta equação a chamada bomba do atlântico, o aquecimento global e todas as obras que o homem vai fazendo alterando os cursos dos rios, o desaguar dos mesmos, o perfil da costa e o percurso das suas correntes. Ok, se calhar ainda haverá milhentas razões e motivos, mas declaro desde já as minhas limitações e falta de competências na matéria para não as conseguir elencar.
Dou comigo a sorrir com aquele sorriso velhaco e trocista como faço sempre que ouço tantos e tantos experts na matéria em grandes palestras a mandar bitaites sobre a erosão.
Mas, o que dói mais, dói mesmo mais é constatar a inépcia a incúria e a incompetência técnica e politica de quem tem obrigação de zelar pela segurança das pessoas e bens.
Viro-me para sul e a linha do molhe não permite que vislumbre a praia erodida e sem dunas, que tem por lá plantados uns sacos a que chamam de “geo-cilindros”. (Agora o acordo tramou-me, não sei se escrevo assim como está ou sem hífen.) O melhor é deixar ficar, ninguém vai levar a mal que os “geo-cilindros” fiquem mal na grafia, porque o que se quer, o que as pessoas preocupadas com a sua segurança com os seus bens e património desejam ardentemente e com muito força é que fiquem bem na eficiência.
Sinto pelas costas uma leve aragem da maresia que me faz recordar estar em finais do mês de dezembro.
- Bom dia sr. João, tem aí uma moedinha?
- Olá, Sr. João, bom dia! Como vai?
Estou a ver que não foi ao centro. Disseram-me que o senhor não quis ir ao médico fazer análises?
- Eu, não. Não sou pássaro de gaiola!
Vira-me as costas e lá vai, agora em direção ao rio no seu deambular compulsivo e constante.
- Bom Ano, Sr. João!
Torno a olhar a imensidão do mar a poente e pestanejo uma, duas vezes tamanha é a luminosidade refletida pelas águas calmas do nosso mar.
- Bom Ano Novo, Sr. João!

“… Branquear, omitir...

“… Branquear, omitir, fazer de conta que podia ser pior é permanentemente arriscar a vida das populações com a ignorância, a desfaçatez, a incompetência e o desnorte de alguns que não têm o direito de nos pôr em maior risco. …”

 

Isto, assim, deste modo, dito logo no dia seguinte à Figueira da Foz ter sido fustigada por ventos ciclónicos como NUNCA se viram é, no mínimo, ignóbil - politicamente falando, claro. Porque, pessoalmente, o conhecimento que tenho do autor da dita frase não me permite dizer que o seja. Ignóbil.

No entretanto, queria dizer que o som surdo daquelas saraivadas que fizeram estremecer o CAE foi, no mínimo, arrepiante.

Apesar de algumas episódicas manifestações de pânico sentimo-nos em segurança, seguindo as indicações da Proteção Civil de permanência no espaço. Foram duas longas horas sempre com a preocupação de saber das condições de circulação nas pontes para o necessário regresso a casa. A ausência de redes móveis, que só apareciam a espaços, foi uma angústia acrescida.
O circular serpenteante na avenida das abadias, contornando as arvores caídas, fez-nos ficar em silêncio perante tamanha devastação. Seguimos as indicações da Proteção Civil em plena atividade de segurança, proteção e limpeza. O mesmo nas vias rápidas de acesso à ponte. Aqui, circulando em coluna de veículos (fez-me lembrar os longínquos tempos da guerra colonial) cada vez mais devagar e com mais cuidado.  Os pirilampos da Proteção Civil sempre a servirem-nos de guia e farol.

Ao entrar na Gala, mais pirilampos e mais intensos, vimos o nosso bote das artes por terra partido ao meio misturado com as árvores caídas e o nosso coração apertou-se, ainda mais. O telhado do recreio da escola nova desabado, partes do hospital jazendo em plena estrada, árvores e mais árvores caídas, telhados destelhados, janelas, marquises, varandas torcidas, placas, sinais, postes, candeeiros, retorcidos dobrados e caídos. E sempre o pirilampejar da Proteção Civil presente, limpando, sinalizando e desobstruindo.

O barco da arte da Cova d’óiro arremessado por uma onda de violência extrema partido a cem metros de distância, a bateira da praia do Hospital desmaiada na berma da estrada, quebrada.

Os equipamentos sociais e de turismo da Junta de Freguesia na paria da Cova, na praia do hospital, no parque de merendas, arrasados, destruídos e em escombros.

Logo de manhã bem cedo as pessoas mal dormidas saem e começam as limpezas. É neste momento que a areia se torna rainha, déspota e cruel, da Cova-Gala. Toneladas e toneladas de areia nas ruas, nos quintais, nos passeios, nas varandas, nas janelas, nas persianas, nas frinchas mais recônditas que possamos imaginar. Areia e mais areia e pessoas e famílias inteiras a limpar e a limpar.

Estas pessoas não perderam tempo a apontar o dedo a procurar culpados a criticar. Entenderam a sua verdadeira dimensão humana face à natureza e seus elementos (do qual fazemos parte) e fizeram o que lhes competia, a sua parte.

Da parte da tarde, era visível o início da reconstrução. Novamente as pessoas, famílias, amigos, agora mais organizadas, com maior solidariedade apoiavam-se mutuamente, separavam viveres, montavam andaimes, colocavam telhas, atavam, pregavam, soldavam, construíam. Telefonavam, combinavam encontros, acionaram seguros, pediram orçamentos e avançavam como seres humanos gregários e solidários.

Estas pessoas não perderam tempo a apontar o dedo a procurar culpados a criticar. Entenderam a sua verdadeira dimensão humana face à natureza e seus elementos (do qual fazemos parte) e continuavam a fazer o que lhes competia, a sua parte.

 

“… Branquear, omitir, fazer de conta que podia ser pior é permanentemente arriscar a vida das populações com a ignorância, a desfaçatez, a incompetência e o desnorte de alguns que não têm o direito de nos pôr em maior risco. …”

 

O político que afirmou isto pode pensar que, tendo uma máquina de apoio que funciona bem e sobre rodas, pode usar a desgraça alheia para se catapultar. Mas faz mal. O que esta simples gente, que já iniciou a reconstrução, quer é que os políticos tenham a capacidade de se recolherem na solidão do seu pensamento, constatarem a humilde singeleza da sua condição humana e, assim, entenderem os benefícios potenciadores da solidariedade agregadora e engrandecedora.

É por esta e por outras que não é difícil entender a enorme dificuldade da Figueira se libertar da sua tacanha condição.

Força, velho pescador!

Tenho mesmo de partilhar os belos momentos de fraterna humanidade que presenciei, hoje, depois do almoço, quando decidi ir tomar um cafezito ao portinho da Gala, mais precisamente ao espaço cultural e de convivio dos pescadores que, em boa hora, a Câmara e a Junta de Freguesia lá decidiram construir.
Como habitualmente, aquela hora, encontrei um espaço repleto de velhos pescadores covagalenses, quase todos reformados, alguns mais novos e emigrantes queimando o resto das férias.
Distribuidos pelas mesas entretinham-se a jogar às cartas conversando e bebericando uns cafés.
Há sempre retalhos de alarido e momentos de maior silencio que refletem as nuances e peripécias do jogo, mas, hoje, senti que havia por ali uma aragem de energia positiva como se a serenidade, a amizade e a fraternidade ali tivessem decidido repousar um pouco, fazendo companhia aqueles velhos pescadores.
Retirando a "bica" do balcão sentei-me à mesa dos Senhores Lucilio, Manuel e António. Não o fiz por acaso. Para mim aquela era uma mesa especial. Jogavam o Gin Rummy lenta e pausadamente.
O Sr. Lucilio, bem mais velho que os outros dois, invariavelmente e com o apoio do Sr. Manuel, pacientemente ajudava o Sr. António a jogar e a retirar e colocar as cartas no baralho. Por sua vez, o Sr. Antonio, compenetrado e focado, lentamente, alinhava as cartas na palma da mão de acordo com os naipes e valores. Vazava a carta que entendia largar e recolhia outra que aconchegava às outras. Sempre seguido pelo olhar atento e amigo dos seus parceiros. Era visivel, quase se sentia, o dificil desfiar do seu raciocinio, as suas contas e o esforço compenetrado com que executava os gestos do jogo.
E ganhou um que eu bem vi.
Talvez alguns de vós já tenham entendido e reconhecido os srs. Lucilio, Manuel e António.
Mas eu explico; o Sr. António sofreu há algum tempo um AVC, tendo ficado retido todo este tempo nos hospitais a tentar safar-se.
Agora, ainda precisando de ajuda para se levantar, sentar e movimentar, iniciou a sua recuperação e que bela fisioterapia teve ali com a ajuda dos seus amigos.
Um abraço, Sr. Lucilio Caneira.
Um abraço, Sr. Manuel Camarão.
Um abraço do tamanho do mundo, Sanguinho.
Força, velho pescador!

Esta Gente

 

Esta Gente

 

Esta gente cujo rosto

Às vezes luminoso

E outras vezes tosco

 

Ora me lembra escravos

Ora me lembra reis

 

Faz renascer meu gosto

De luta e de combate

Contra o abutre e a cobra

O porco e o milhafre

 

Pois a gente que tem

O rosto desenhado

Por paciência e fome

É a gente em quem

Um país ocupado

Escreve o seu nome

 

E em frente desta gente

Ignorada e pisada

Como a pedra do chão

E mais do que a pedra

Humilhada e calcada

 

Meu canto se renova

E recomeço a busca

De um país liberto

De uma vida limpa

E de um tempo justo

 

Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Geografia"

O Sr. João

O Sr. João

Sim, só assim desta forma simples, João.

Claro que podia acrescentar o apelido e tornar-se-ia de imediato mais conhecido da maioria, no entanto prefiro apresentá-lo como simples ser humano, “desapelidado” de família, mas filho de deus e nosso irmão.

Como qualquer um de nós o Sr. João foi-se moldando na argamassa resultante das características naturais advindas de seus próprios genes e de todas as circunstâncias que o foram envolvendo ao longo da vida. E, aqui, nas circunstâncias, identificamos a família, a escola, os amigos, o trabalho, os bairros, as aldeias e as sociedades.

O homem é de si mesmo e das suas circunstâncias.

Do mesmo modo que alguns nascidos num berço de oiro ao longo da vida se vão degradando tornando-se indigentes, outros há que nascidos na miséria dela se libertam e evoluem atingindo patamares de excelência.

Voltemos ao Sr. João. Aparenta ter oitenta anos alquebrados pela idade e pelas mazelas da vida umas procuradas outras nem tanto, pele curtida pelos dias e suja pela ausência de cuidados, agarrado a uma bengala que o vai ajudando no seu débil e precário equilíbrio, olhos baços de excessos, olhar vazio de vida. Veste sempre da mesma forma suja e andrajosa faça chuva ou faça sol, seja inverno ou verão; calças sujas, camisola suja, casaco sujo e calça umas botas sujas e gastas bem maiores que os pés.

O Sr. João está sempre em movimento, dobrado sobre si mesmo vai arrastando as suas botas pelas ruas da Cova e da Gala. Leva sempre numa das mãos um balde ou um saco de plástico. Neste arrastado deambular compulsivo em delírio de recolector vai do rio ao mar recolher o peixe que julga lá encontrar. Vai do mar ao rio no mesmo impulso delirante de recolector. E vai da doca do cabedelo à Gala, da Gala ao rio, do norte ao sul e do sul ao norte. Neste impulso delirante, o Sr. João não para, vai titubeando palavras que só ele entende e não consegue controlar as suas necessidades mais básicas e fisiologicamente humanas. Então, nem sempre só a urina escorre pelas pernas das calças e por lá seca.

O Sr. João avista-se ao longe e ao longe se sente sempre só, absolutamente só.

As circunstâncias que envolvem o Sr. João são a nossa sociedade, a sociedade onde se arrasta e deambula. Ia escrever vive mas não fui capaz.

A nossa sociedade, as suas circunstâncias, vê-o mas logo desvia o olhar. Para a nossa sociedade, o Sr. João só existe quando se avista. Parece que deixa de existir quando não o avistamos. Por onde andará o Sr. João quando a noite cai? Dormirá dentro de um qualquer carro abandonado ou entre dois muros coberto por duas tabuas, uns papelões e umas mantas? Não se avista, não se vê. As suas circunstâncias descansam.

Mas o que são as circunstâncias do Sr. João, a nossa sociedade? Uma sociedade normalíssima composta na sua maioria por cidadãos contribuintes de uma sociedade democrática e contributiva e que foi sonhada para que a dignidade humana fosse garantida, principalmente aos que mais precisam. Ninguém devia ficar para trás, sonhava-se então.

Será que ainda se sonha?

A nossa normalíssima sociedade que personifica as circunstâncias do Sr. João é composta, também, por vários tipos de poder; o autárquico, o judicial, o eclesial, o de sanidade pública e o de influência. Depois existem os parceiros sociais onde se incluem as coletividades (desportivas, recreativas, de cultura - não, não existem), as igrejas nas suas missões de fé bem-intencionada, as instituições de apoio social, as associações de pais, de moradores e as galas de mérito.

E ainda a comissão local social e o conselho de apoio social.

Ser eleito ou empossado para um qualquer destes poderes ou parcerias e ser presente às suas reuniões dá sempre uma determinada e efémera dignidade social.

Mas deixemos para lá isso e voltemos ao Sr. João, porque do que ele precisa mesmo é que a sociedade por onde se arrasta e deambula olhe para ele de frente e lhe garanta na precária vida que lhe resta a dignidade humana que merece.

Sei que não é fácil, não tem sido fácil, mas não sermos capazes de garantir a dignidade humana a um dos nossos devia envergonhar-nos.

Half Moon Run - Full Circle

 

 

Cap off kneelin' at the back of the church

Feelin' water on your brow

With it's heal and it hurts

At first a sharpish pain

that returns as a thought

That the needle in your skin

won't bring you closer to God

 

And I watch

As your head

Turns full circle

 

All hopeless with old coffee and a medical text

It's too easy knowin' nothin'

blowin' off the rest

And the riddles in the pages leavin' too much to guess

And the worry cracks a fracture

from your hip to your chest

 

As I watch

As your head

Turns full circle

 

You got lost in your travels

and a spiritual book

Mistook beaches for nirvana

in the way that they look

And the crooks that run the island

are killing to keep earning

They're burning seven tons of plastic

and it seems to be working

 

Is that the best

That I

Can do?

 

As I watch

As your head

Turns full circle

 

You appear even-tempered

though your looks will deceive

And the sparks are always flying

'cause you drink for relief

With the heart of a child

and the with of a fool

It's a wonder why

I don't try to build a wall around you

 

And I watch

As your head

Turns full circle

 

Maria do mar - Luisa Sobral

 

Todos os dias, Maria olhava o mar pela janela.
Maria era do mar, mas o mar não era dela.

E por viver numa ilha no meio azul plantada

Maria além do nome tinha o mar como morada


Maria, Maria do mar se o vento voltar

solta o cabelo vai ver os barcos partir

O dia há de vir em que um queira ficar

E só no teu nome navegar.

 

Sabe prever tempestades conhece as marés
Os peixes que bem cedo lhe vêm beijar os pés.

 

Maria, Maria do mar se o vento voltar

solta o cabelo vai ver os barcos partir

O dia há de vir em que um queira ficar

E só no teu nome navegar.

 

Luísa Sobral

 

Eu imbecil me confesso

 

Porque é Carnaval e as sociedades insistem em “aconchegarem-se” em castas, em classes e outras coisas afins.

 ...

 

Eu imbecil me confesso e pergunto ao idiota que vive em mim.

- O que fizeste idiota que me tornaste assim?

 

Neste que cala quando outros parlam

Parlam …

Neste que sorri com olhos tristes,

gémeos da real tristeza que refletem.

 

Neste que te questiona, idiota!

Porque não bajulas

E ao invés, sorrindo, te calas?

- Ganhavas um palmadão nos costados, pá!

Amigão!

Ah, grande amigão!

Assim, sim!

Tu és dos meus és dos bons!

Dos outros, Não!

 

Neste que te pergunta porque,

Contra a bajulice, insistes em os mandar

“Xapar” ao mar!

 

Eu imbecil me confesso e pergunto ao idiota que vive em mim.

Porque me fizeste assim?

Idiota!

 

Tens os Olhos de Deus

 

Letra e música de Pedro Abrunhosa

Canta Ana Moura

  

Tens os olhos de Deus

E os teus lábios nos meus

São duas pétalas vivas

E os abraços que dás

São rasgos de luz e de paz

Num céu de asas feridas

E eu preciso de mais

Preciso de mais

 

Dos teus olhos de Deus

Num perpétuo adeus

Azuis de sol e de lágrimas

Dizes: 'Fica comigo

És o meu porto de abrigo

E a despedida uma lâmina'

Não preciso de mais

Não preciso de mais

 

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Lá vem a noite

Faz-te mais perto

Amarra assim

O vento ao corpo

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Embarca em mim

 

Tens os olhos de Deus

E cada qual com os seus

Vê a lonjura que quer

E quando me tocas por dentro

De ti recolho o alento

Que cada beijo trouxer

E eu preciso de mais

Preciso de mais

 

Nos teus olhos de Deus

Habitam astros e céus

Foguetes rosa e carmim

Rodas na festa da aldeia

Palpitam sinos na veia

Cantam ao longe que 'sim! '

Não preciso de mais

Não preciso de mais

 

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Lá vem a noite

Faz-te mais perto

Amarra assim

O vento ao corpo

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Embarca em mim

 

Agora Nunca é Tarde

 

 Pedro Barroso

 

 

 

"Cada um de nós nasce com um artista cá dentro

Um poeta, um escultor, um aventureiro...

um cientista, um pintor, um arqueologo, um estilista, um astronauta, um cantor, um marinheiro".

...

"E se aquilo, aquilo que nos dão todos os dias não for coisa que se cheire ou nos deslumbre,
que pelo menos nunca abdiquemos de pensar com direito à  ironia, ao sonho, ao ser diferente.
E será talvez uma forma inteligente de, afinal, nunca... nunca, nunca ser tarde demais para viver,
nunca ser tarde demais para perceber,
nunca ser tarde demais para exigir,
nunca ser tarde demais para ACORDAR".

 

 

Os dois pretitos da minha idade

 

Estamos em mais um novo dia, só que este é especial, é 25 de Abril, dia da Liberdade.

Dizer liberdade parece pouco, tantas e tantas vezes a pronunciamos e porque, felizmente, a vivemos em plenitude nem damos por ela. Tão adquirida está, quase parece não existir, ou, por outro lado, não poderá ser outra coisa a não ser o que é: Liberdade.

Nunca sentimos a necessidade de a regar, de a alimentar para que não seque, para que não morra …

Apetece-me contar-vos uma estória de um outro tempo, do tempo da minha infância … do 24 de Abril e do império que nunca mais terminava.

Vivíamos numa cidade colonial, moçambicana, num bairro airoso cheio de sol e da nossa alegria juvenil que aumentava e muito quando estávamos de férias escolares. Nessas alturas invariavelmente discutíamos renhidos campeonatos de futebol de rua que começava de manhã cedo, tinha intervalo à hora do almoço e terminava tarde caída.

Jogávamos descalços que as ruas eram de saibro, as balizas eram duas sapatilhas e não havia guarda redes. Equipa que ganhava ficava e continuava a jogar e a que perdia saía e dava lugar a outra. Alguns jogos eram tão renhidos que até a policia, cipaios vestidos de caqui e armados de cassetetes, paravam a ver-nos correr e gritar atrás da bola a marcar golos e golos.

Sorriam os policias cipaios e aplaudiam quando as jogadas pareciam dignas de Eusébios, Colunas …

Um dia, de manhã, apareceram dois pretitos da minha idade.

Juntaram-se a uma das equipas e jogavam futebol que era uma maravilha.

Riam alegres e ganhavam e ganhavam …

Todos nós os queríamos ter na nossa equipa.

A meio da tarde o jogo decorria alegre e a equipa onde jogavam os dois pretitos da minha idade continuava a jogar e a ganhar.

E apareceram os policias cipaios que gostavam de nos ver jogar. Mas, daquela vez, não pararam a sorrir e a aplaudir.

Carregaram o sobrolho, sacaram dos cassetetes, invadiram o jogo, foram ter com os dois pretitos da minha idade, encostaram os cassetetes às costas nuas dos dois pretitos da minha idade e expulsaram os pretitos da minha idade do nosso jogo, dizendo:

- Vai, vai, não pode estar aqui!

- O teu bairro não é aqui!

- Suca, suca, vai, vai!

O sorriso dos pretitos da minha idade desapareceu, no seu lugar apareceu um enorme, mas não espantado, olhar de medo e fugiram.

Corremos para os policias cipaios a ralhar e a barafustar que não podiam fazer aquilo. Eles meteram os cassetetes à cintura e viraram-nos as costas …

Dei comigo a lançar um olhar furioso aos policias cipaios num misto de raiva e confusão, muita confusão sem compreender o que se tinha passado.

Nunca mais gostei de policias cipaios e muito menos dos seus cassetetes.

Por ironia do destino, anos volvidos, em finais de 1973, senti nos costados o ferrete do sabor ardente e dorido daqueles cassetetes, mas isso é outra estória…

 

Ultimatum

 

Mandado de despejo aos mandarins da Europa!
Alvaro de Campos 1917.
Versão de Maria Bethânia

 

Fora tu, reles esnobe, plebeu, fora tu, imperialista das sucatas, charlatão da sinceridade, banalidade em caracteres gregos, sopa salgada fria, fora com tudo isso, fora! Que fazes tu na celebridade? Quem és tu? Tu, da juba socialista, e tu, qualquer outro, todos os outros, lixo, cisco, choldra provinciana, safardanagem intelectual, incompetentes, barris de lixo virados para baixo. Tirem isso tudo da minha frente, tudo daqui para fora. Ultimatum a todos eles e a todos os outros que sejam como eles. Todos!
Falência geral de tudo por causa de todos. Falência dos povos e dos destinos, desfile das nações para o meu desprezo. Passai gigantes de formigueiro. Passai mistos que só cantai a debilidade. Passai bolor do novo, passai à esquerda do meu desdém. Passai e não volteis, párias na ambição de parecer grande.
Passai finas sensibilidades, montes de tijolos com pretensões a casa. Inútil luxo, passai, vã grandeza ao alcance de todos, megalomania triunfante, voz que confundis o humano com o popular, que confundis tudo, chocalhos incompletos, maravalhas, passai! 
Passai tradicionalistas auto-convencidos, anarquistas deveras sinceros, socialistas a invocar a sua qualidade de trabalhadores para quererem deixar de trabalhar.
Vem tu finalmente ao meu asco, roça-te finalmente contra a sola do meu desdém. 'Grand finale' dos parvos, impotência a fazer barulho. Quem acredita neles?
Descasquetem o rebanho inteiro, mandem isso tudo para casa, descascar batatas simbólicas. O mundo tem sede de que se crie, tem fome de futuro.
Tu, Estados Unidos da América, síntese bastardia da Baixa Europa, alho da sorda transatlântica pronúncia nasal do modernismo inistético. E tu, Portugal, centavos, resto da monarquia a apodrecer república. E tu, Brasil, blague de Pedro Álvares Cabral, que nem te queria descobrir. Ponham-me um pano por cima de tudo isso, fechem-me isso a chave e deitem a chave fora.
A política é a degeneração gordurosa da organização da incompetência. Sufoco de ter só isso à minha volta. Deixem-me respirar! Abram todas as janelas, abram mais janelas do que todas as janelas que há no mundo. 
Nenhuma idéia grande, nenhuma corrente política que soe a uma idéia grão. Época vil dos secundários, dos aproximados, dos lacaios com aspirações a reis lacaios.
Sim, todos vós que representais o mundo, todos vós que sois políticos em evidência em todo o mundo, passai vozes ambiciosas do luxo cotidiano, aristocrata de tanga de ouro. Passai vós que sois autores de correntes sociais, de correntes literárias, de correntes artísticas, verso da medalha da impotência de criar. 
Passai, frouxos! Passai, radicais do pouco! O mundo quer grandes poetas, quer grandes estadistas, quer grandes generais. Quer o político que construa conscientemente os destinos inconscientes do seu povo. Quer o poeta que busque a imortalidade ardentemente e não se importe com a fama. Quer o general que combata pelo triunfo construtivo, não pela vitória que é apenas a derrota dos outros.
O mundo quer a inteligência nova, a sensibilidade nova. O que aí está a apodrecer a vida, quando muito, é estrume para o futuro. O que aí está não pode durar porque não é nada.
Eu, da raça dos navegadores, afirmo que não pode durar. Eu, da raça dos descobridores, desprezo o que seja menos que descobrir um mundo novo. Ergo-me ante o sol que desce e, à sombra do meu desprezo, anoitece em vós, e proclamo isso bem alto, braços erguidos, fitando o Atlântico e saudando abstratamente o infinito". 

 

A noite Alastra

 

Voz de Ana Margarida 

 

Paulo Marçalo é um jovem desta cidade.

É filho de pescadores e marinheiros, de gente do mar.

Talvez por isso, ou também por isso, foi um adolescente problemático, desajustado a um tempo e ao seu próprio tempo. Caminhou por ínvios caminhos da adição, da sujeição, da destemperança e do descontrolo anímico e emocional.

As suas capacidades cognitivas, acima da média, foram causadoras de uma, ainda, maior dor e desassossego.

Sempre gostou de escrever e, ao fazê-lo, foi descrevendo a sua angústia e revolta. A um tempo identificando-a como só ele o sabia fazer e, a um outro, a incapacidade de lhe pôr termo.

Vou ler-vos um dos poemas do Paulo.

 
A noite alastra, as trevas me invadem

Num sono ébrio e horripilante

Sou o desconcerto e o pecado de mim mesmo.

Sou um desgraçado perdido,

Sem vontade, nem destino

Aprisionado ao terror, ao mal que abomino.

Ferido e ensanguentado no ódio

Aterrorizo meu lar e a minha alma sofre.

Em preces rogo tempo e mudança

Mas, sem vontade nem confiança

Acomodo-me no vício que me destrói.

- E destrói quem me ama!

Terríveis pensamentos manchados de maldade

Me percorrem as veias, qual anarcas

Desferem golpes baixos sobre os mais fracos,

Que fragilizados e cegos de amor

Me continuam amar, desesperados.

Pela desgraça e miséria a que me tenho votado.

São anjos negros, espíritos destruídos

Consumidos pelo ódio, em segredo guardado.

Tento soltá-lo na ébria e negra fúria

Do meu olhar vago, sem tempero nem temperança,

Deserdado de fé , apartado da esperança.

 

Paulo Marçalo

1999

 

Caravela Sagres St MManuela e Creoula

João Pita

Pescadores, Cédulas marítimas

painel06

Links

Identidade

Pescadores da Cova-Gala, *****Cédulas marítimas *. Videos

Videos

Músicas roladas n'areia

Viagens passadas

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.