Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

corda01

Esta Gente

 

Esta Gente

 

Esta gente cujo rosto

Às vezes luminoso

E outras vezes tosco

 

Ora me lembra escravos

Ora me lembra reis

 

Faz renascer meu gosto

De luta e de combate

Contra o abutre e a cobra

O porco e o milhafre

 

Pois a gente que tem

O rosto desenhado

Por paciência e fome

É a gente em quem

Um país ocupado

Escreve o seu nome

 

E em frente desta gente

Ignorada e pisada

Como a pedra do chão

E mais do que a pedra

Humilhada e calcada

 

Meu canto se renova

E recomeço a busca

De um país liberto

De uma vida limpa

E de um tempo justo

 

Sophia de Mello Breyner Andresen, in "Geografia"

O Sr. João

O Sr. João

Sim, só assim desta forma simples, João.

Claro que podia acrescentar o apelido e tornar-se-ia de imediato mais conhecido da maioria, no entanto prefiro apresentá-lo como simples ser humano, “desapelidado” de família, mas filho de deus e nosso irmão.

Como qualquer um de nós o Sr. João foi-se moldando na argamassa resultante das características naturais advindas de seus próprios genes e de todas as circunstâncias que o foram envolvendo ao longo da vida. E, aqui, nas circunstâncias, identificamos a família, a escola, os amigos, o trabalho, os bairros, as aldeias e as sociedades.

O homem é de si mesmo e das suas circunstâncias.

Do mesmo modo que alguns nascidos num berço de oiro ao longo da vida se vão degradando tornando-se indigentes, outros há que nascidos na miséria dela se libertam e evoluem atingindo patamares de excelência.

Voltemos ao Sr. João. Aparenta ter oitenta anos alquebrados pela idade e pelas mazelas da vida umas procuradas outras nem tanto, pele curtida pelos dias e suja pela ausência de cuidados, agarrado a uma bengala que o vai ajudando no seu débil e precário equilíbrio, olhos baços de excessos, olhar vazio de vida. Veste sempre da mesma forma suja e andrajosa faça chuva ou faça sol, seja inverno ou verão; calças sujas, camisola suja, casaco sujo e calça umas botas sujas e gastas bem maiores que os pés.

O Sr. João está sempre em movimento, dobrado sobre si mesmo vai arrastando as suas botas pelas ruas da Cova e da Gala. Leva sempre numa das mãos um balde ou um saco de plástico. Neste arrastado deambular compulsivo em delírio de recolector vai do rio ao mar recolher o peixe que julga lá encontrar. Vai do mar ao rio no mesmo impulso delirante de recolector. E vai da doca do cabedelo à Gala, da Gala ao rio, do norte ao sul e do sul ao norte. Neste impulso delirante, o Sr. João não para, vai titubeando palavras que só ele entende e não consegue controlar as suas necessidades mais básicas e fisiologicamente humanas. Então, nem sempre só a urina escorre pelas pernas das calças e por lá seca.

O Sr. João avista-se ao longe e ao longe se sente sempre só, absolutamente só.

As circunstâncias que envolvem o Sr. João são a nossa sociedade, a sociedade onde se arrasta e deambula. Ia escrever vive mas não fui capaz.

A nossa sociedade, as suas circunstâncias, vê-o mas logo desvia o olhar. Para a nossa sociedade, o Sr. João só existe quando se avista. Parece que deixa de existir quando não o avistamos. Por onde andará o Sr. João quando a noite cai? Dormirá dentro de um qualquer carro abandonado ou entre dois muros coberto por duas tabuas, uns papelões e umas mantas? Não se avista, não se vê. As suas circunstâncias descansam.

Mas o que são as circunstâncias do Sr. João, a nossa sociedade? Uma sociedade normalíssima composta na sua maioria por cidadãos contribuintes de uma sociedade democrática e contributiva e que foi sonhada para que a dignidade humana fosse garantida, principalmente aos que mais precisam. Ninguém devia ficar para trás, sonhava-se então.

Será que ainda se sonha?

A nossa normalíssima sociedade que personifica as circunstâncias do Sr. João é composta, também, por vários tipos de poder; o autárquico, o judicial, o eclesial, o de sanidade pública e o de influência. Depois existem os parceiros sociais onde se incluem as coletividades (desportivas, recreativas, de cultura - não, não existem), as igrejas nas suas missões de fé bem-intencionada, as instituições de apoio social, as associações de pais, de moradores e as galas de mérito.

E ainda a comissão local social e o conselho de apoio social.

Ser eleito ou empossado para um qualquer destes poderes ou parcerias e ser presente às suas reuniões dá sempre uma determinada e efémera dignidade social.

Mas deixemos para lá isso e voltemos ao Sr. João, porque do que ele precisa mesmo é que a sociedade por onde se arrasta e deambula olhe para ele de frente e lhe garanta na precária vida que lhe resta a dignidade humana que merece.

Sei que não é fácil, não tem sido fácil, mas não sermos capazes de garantir a dignidade humana a um dos nossos devia envergonhar-nos.

Caravela Sagres St MManuela e Creoula

Mais sobre mim

foto do autor

Pescadores, Cédulas marítimas

painel06

Links

Identidade

Pescadores da Cova-Gala, *****Cédulas marítimas *. Videos

Videos

Músicas roladas n'areia

Viagens passadas

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.