Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

corda01

Seca na Amazónia

 

Para mais detalhes consulte:
http://www.dn.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1697832&seccao=Biosfera

 

Foto da net

Maior seca dos últimos 110 anos na Amazónia

Níveis de alguns rios caíram 50%, deixando barcos no lodo e isolando povo

A Amazónia está a viver a pior seca dos últimos 110 anos. Os caudais dos rios estão a diminuir para valores recorde e a impedir a navegação fluvial, isolando dezenas de comunidades e pondo em risco milhares de pessoas. Mais de 60 municípios da região já declararam o estado de emergência.

"Estamos a passar a pior seca de que há memória na Amazónia", afirmou Marcos Savini, representante do Governo brasileiro na Comissão Europeia, num encontro com jornalistas em Bruxelas. Em 2005, a região já atravessou uma seca muito grave, mas a deste ano "é a pior dos últimos 110 anos".

Savini atribui este cenário ao agravamento do aquecimento global, enquanto outros peritos se inclinam para explicações relacionadas com o aumento dos furacões no Atlântico e o fenómeno meteorológico do El Niño.

Numa altura em que o mundo prepara a próxima cimeira do clima - em Dezembro, em Cancún -, o brasileiro aproveita para sublinhar que, "se as emissões de gases com efeito de estufa não pararem, a floresta vai arder por si própria". O cenário de destruição da floresta tropical e da sua transformação em savana, associado à escassez de água, já tinha sido apontado pelos cientistas do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas.

Investigadores citados pelo jornal brasileiro Folha de São Paulo dizem agora que o caudal dos rios da Amazónia caiu cerca de 50%. O nível do rio Negro, um dos afluentes do Amazonas e dos principais da região, decresceu drasticamente nas últimas semanas, passando de uma profundidade de 29,77 metros para 13,63.

Os barcos estão atolados no lodo, e a água deu lugar a rochas e areia, provocando a morte de milhares de peixes e pondo em risco a sobrevivência das populações.

As comunidades ribeirinhas são as mais vulneráveis, pois, tendo em conta que a circulação se faz pelos rios, ficam rapidamente isoladas. Segundo o Governo brasileiro, nos últimos dias foram distribuídos cabazes com produtos essenciais - medicamentos e produtos de higiene -, para assegurar o bem-estar da população.

No estado do Amazonas, foram também distribuídas várias toneladas de alimentos, e estimam-se em mais de 60 mil as pessoas afectadas. Para atacar o problema, as autoridades já anunciaram uma verba de dez milhões de euros.

Mas nem tudo são más notícias. Marcos Savini garante também que a destruição da floresta tropical está a desacelerar. Ocupando quase metade do território brasileiro, a Amazónia tem sido alvo de um programa de contenção, cujo objectivo é reduzir a desflorestação em 80% em dez anos.

"Em 2009, o desmatamento teve uma redução de 43% em relação ao ano anterior. Foi o melhor ano desde que começámos a adoptar estas políticas. Este ano vamos bater um novo recorde, com 4000 quilómetros quadrados de desmatamento", afirmou.

Savini sublinhou ainda a importância das florestas como sumidores de carbono e lembrou que a sua destruição agrava as alterações climáticas. Que, por sua vez, também causam mais secas, incêndios, e põem em risco a manutenção das zonas tropicais. Por isso, da cimeira do clima, o representante brasileiro espera que saia um acordo mundial para travar a desflorestação.

 

RITA CARVALHO,

publicado a 2010-10-29 às 01:00

Caravela Sagres St MManuela e Creoula

João Pita

painel06
painel06
painel06

Links

Identidade

Pescadores da Cova-Gala, *****Cédulas marítimas *. Videos

Videos

Músicas roladas n'areia

Viagens passadas

painel06

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.