Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

corda01

Naufrágio do navio-motor João Costa

 

Faz hoje 64 anos que naufragou, ao largo dos Açores, o navio João Costa, da frota de pesca de bacalhau à linha da Figueira da Foz.

Muitos figueirenses e covagalenses, dos seus 73 tripulantes, foram protagonistas de tão trágico acontecimento.

Fica aqui em jeito de homenagem este simples tributo.

 

Carregue no PLAY e ouça a voz da Ana Margarida.

 

 

O navio-motor JOÃO COSTA tinha largado de Lisboa a 15 de Abril de 1952 rumo aos Bancos da Terra Nova e Gronelândia.

Era um barco construído em madeira nos Estaleiros Navais do Mondego, na Murraceira, em 1945. Tinha cerca de 48m e era propriedade da Sociedade de Pesca Luso-Brasileira, Lda., sediada na Figueira da Foz.

Com 73 homens de tripulação, naquela campanha e, usando o método da pesca de bacalhau à linha com um pescador num dóri, pescou, carregou e salgou - ao longo de 5 meses - 11.000 quintais de bacalhau.

Assim carregado, iniciou a viagem de regresso à Figueira da Foz, no dia 18 de Setembro de 1952.

 

Cinco dias depois o navio deixou de comunicar com Lisboa. Perderam-se todas as comunicações via rádio.

A 23 de Setembro, pelas 20h00, quando boa parte da tripulação confraternizava comemorando o aniversário do camarada Penicheiro sentiu-se uma explosão seguido de incêndio na casa das máquinas.

Nesse momento o JOÃO COSTA navegava a escassos três dias de ter o cabo Mondego à vista e os familiares na barra à sua espera.

Rapidamente se constatou ser o fogo incontrolável e foi célere a decisão de abandono, face ao perigo de novas explosões nos tanques de combustível.

Os pescadores abandonaram o navio distribuindo-se por 22 dóris e, por ali se deixaram ficar ligeiramente afastados, assistiram ao afundamento do navio que submergiu totalmente na manhã do dia 24.

Começou então a tragédia da tripulação, perdida no mar sem água, nem alimento.

 

O capitão, João José Silva Costa, determinou que os dóris se dividissem em dois grupos e com o auxilio de duas bússolas tentaram navegar rumo à ilha de S. Miguel, que sabia estar a escassas 60 milhas para sul.

Os homens nos dóris tentavam, por todos os meios manter-se agrupados. Mas, se durante o dia era relativamente fácil permanecerem juntos, navegando à vela, já o mesmo não acontecia durante a noite e era terrível a dor e frustração de constatar, no dealbar da primeira luz do dia, o desaparecimento de alguns camaradas afastados por ventos e correntes.

A sede era tanta e tão terrível. Só ao terceiro dia os náufragos conseguiram aproveitar água da chuva que caiu em abundância.

A 27 de Setembro quis o destino que o navio Americano COMPASS, por mero acaso, encontrasse e recolhesse 12 náufragos, transviados dos outros. Lançou de imediato o alarme a toda a navegação na área e, como rumava ao Mediterrâneo, decidiu continuar o seu rumo e deixar os náufragos na costa do Algarve em Lagos.

Esta noticia chegou rápido à Figueira, suavizando o sofrimento que o silêncio das comunicações provocara. - Já se tinham salvo 12 homens. Não se sabia a identidade dos salvados e a angustia continuava. 49 dos seus tripulantes eram figueirenses de Buarcos, Vila Verde, Cova-Gala.

Finalmente, a 30 de Setembro, a cidade da Figueira da Foz recebeu com júbilo a notícia oficial de terem sido salvos todos os tripulantes do navio-motor JOÃO COSTA.

35 náufragos foram recolhidos pelo navio STEEL EXECUTIVE, logo seguido pelo HENRIETTE SCHULTE, que salvou os restantes 27 homens.

Desembarcaram todos em Ponta Delgada, Açores.

 E as pobres mulheres, pais, mães e filhos, que há dias lutavam com aquela horrível dúvida, deram largas à sua alegria, à qual se juntou toda a cidade festivamente.

Imagine-se a sua imensa alegria quando, passado alguns dias, puderam abraçar os seus familiares regressados sãos e salvos.

 

Caravela Sagres St MManuela e Creoula

Mais sobre mim

foto do autor

Pescadores, Cédulas marítimas

painel06

Links

Identidade

Pescadores da Cova-Gala, *****Cédulas marítimas *. Videos

Videos

Músicas roladas n'areia

Viagens passadas

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.