Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

Cova d'oiro

... algures na costa portuguesa mesmo a sul da foz do rio Mondego. Era, como se dizia então, um bom pesqueiro. Havia fartura de pescado e as artes, ainda novas e de não fácil manuseio, vinham carregadas até á vergueira

corda01

Água - Pedro Barroso

 

Pus-me à noite a ouvir o mar
sentado na pedra sentado na areia
e senti uma barcarola criar devagar
esta melodia
tinha a crista e vaga desta vaga história
d'arte marinheira
luzia na prata mais rica,
mais rica mais rica que havia
e aquele pensamento d'ir e voltar sempre
que há na maresia
fez subir da água, dessa água toda, cem mil caravelas
era mais que o mar mais que a vida toda
quem ali fervia
e foi muito mais que um homem com guitarra
quem soltou as velas
tive ali a consciência
tinha ali a história toda
tinha ali um povo antigo
a cantar comigo uma canção de roda

Mergulhei da praia nessa história grande
de alma derramada
falei com mareantes e conquistadores
gente aventureira
crepitei nas ondas marés de ida e volta
partida e chegada
cortei fundo a crista do gume das vagas
duma vida inteira
mas daquele mar fundo fundo mar que lá fica sempre
trago só lembranças e um saco de tempo
s'é que o tempo presta
quem disser que o viu que o compreendeu
ou se esquece ou mente
pois no fundo hoje a raiva que ficou
é tudo o que nos resta

Tive ali a consciência
tive ali a história toda
tive ali um povo antigo
a cantar comigo uma canção de roda

 

Pedro Barroso

 

 

Tens os Olhos de Deus

 

Letra e música de Pedro Abrunhosa

Canta Ana Moura

  

Tens os olhos de Deus

E os teus lábios nos meus

São duas pétalas vivas

E os abraços que dás

São rasgos de luz e de paz

Num céu de asas feridas

E eu preciso de mais

Preciso de mais

 

Dos teus olhos de Deus

Num perpétuo adeus

Azuis de sol e de lágrimas

Dizes: 'Fica comigo

És o meu porto de abrigo

E a despedida uma lâmina'

Não preciso de mais

Não preciso de mais

 

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Lá vem a noite

Faz-te mais perto

Amarra assim

O vento ao corpo

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Embarca em mim

 

Tens os olhos de Deus

E cada qual com os seus

Vê a lonjura que quer

E quando me tocas por dentro

De ti recolho o alento

Que cada beijo trouxer

E eu preciso de mais

Preciso de mais

 

Nos teus olhos de Deus

Habitam astros e céus

Foguetes rosa e carmim

Rodas na festa da aldeia

Palpitam sinos na veia

Cantam ao longe que 'sim! '

Não preciso de mais

Não preciso de mais

 

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Lá vem a noite

Faz-te mais perto

Amarra assim

O vento ao corpo

Embarca em mim

Que o tempo é curto

Embarca em mim

 

Agora Nunca é Tarde

 

 Pedro Barroso

 

 

 

"Cada um de nós nasce com um artista cá dentro

Um poeta, um escultor, um aventureiro...

um cientista, um pintor, um arqueologo, um estilista, um astronauta, um cantor, um marinheiro".

...

"E se aquilo, aquilo que nos dão todos os dias não for coisa que se cheire ou nos deslumbre,
que pelo menos nunca abdiquemos de pensar com direito à  ironia, ao sonho, ao ser diferente.
E será talvez uma forma inteligente de, afinal, nunca... nunca, nunca ser tarde demais para viver,
nunca ser tarde demais para perceber,
nunca ser tarde demais para exigir,
nunca ser tarde demais para ACORDAR".

 

 

Esperança

Se quiseres partir amanhã
eu páro o mundo
com facilidade, assim
com esta mão
e então descobriremos
o mais profundo fundo que há no mundo
que é no irmos fundo às coisas
que há razão.
de verdades consumadas me consomem
de falácias bem montadas me alimentam
mas meu filho, mora o reino do futuro
que é mais duro
e não vai ser com palavras
que o contentam.


Se a morte lenta te rebenta sob a pele
a cada dia e se no teu braço apenas sentes a força
de um cansaço organizado
mas manténs na tua fronte a dúvida
e o gosto pelo longe e a maresia
e se sentes no teu peito de criança
a alma de um sonho amordaçado


se quiseres partir amanhã
eu páro o mundo
com facilidade assim
com esta mão
e então descobriremos o mais profundo
fundo que há no mundo
que é no irmos fundo às coisas que há razão

Iste mundus furibundus falsa prestat gaudia,
quia fluunt et decurrunt ceu campi lilia.
Laus mundana, vita vana vera tollit premia,
nam impellit et submergit animas in tartara.

(in "Carmina Burana", c.1230)
Tradução do latim:

Este mundo furibundo nos dá falsas alegrias,
que fluem e se dissipam como pelos campos os lírios.
Louvores mundanos, vida vã afastam-nos dos veros prémios,
para impelir e submergir nossas almas no tártaro.

 

 

Letra e música: Pedro Barroso
Intérprete: Pedro Barroso (in "Roupas de Pátria, Roupas de Mulher", 1986)

Maria mal-amada.

 

Deu-me hoje o pensamento para me transportar a Novembro de ano de 1973.

Faltavam uns simples e rápidos dois mesitos e qualquer coisa para alinhar, miliciano e como carne para canhão, em defesa da pátria.

Digo-a em letra pequena porque, a de então, a entendia assim, pequena.

Naquele tempo a nossa jovialidade foi abalada pelo estrondo insano de uma mina, que ribombou em nossos peitos e nos derrotou.

Afinal não éramos imortais, morrera-nos um amigo.

Aquele, o mais jovial!

Esta melodia do Pedro Barroso levou-me àquele tempo e repôs a noção de que os muitos problemas do Portugal de hoje não são assim tão definitivos!

 

 

 

Água - Pedro Barroso

 

Pus-me à noite a ouvir o mar
sentado na pedra sentado na areia
e senti uma barcarola criar devagar
esta melodia
tinha a crista e vaga desta vaga história
d'arte marinheira
luzia na prata mais rica,
mais rica mais rica que havia
e aquele pensamento d'ir e voltar sempre
que há na maresia
fez subir da água, dessa água toda, cem mil caravelas
era mais que o mar mais que a vida toda
quem ali fervia
e foi muito mais que um homem com guitarra
quem soltou as velas
tive ali a consciência
tinha ali a história toda
tinha ali um povo antigo
a cantar comigo uma canção de roda

Mergulhei da praia nessa história grande
de alma derramada
falei com mareantes e conquistadores
gente aventureira
crepitei nas ondas marés de ida e volta
partida e chegada
cortei fundo a crista do gume das vagas
duma vida inteira
mas daquele mar fundo fundo mar que lá fica sempre
trago só lembranças e um saco de tempo
s'é que o tempo presta
quem disser que o viu que o compreendeu
ou se esquece ou mente
pois no fundo hoje a raiva que ficou
é tudo o que nos resta

Tive ali a consciência
tive ali a história toda
tive ali um povo antigo
a cantar comigo uma canção de roda

 

Pedro Barroso

 

 

Viriato - Pedro Barroso

 

 

 

 

O Poeta e cantador de Portugal tem razão, tem toda a razão!

 

Nestes tempos de domínio de agências de rating, juros e da anónima e ínvia especulação financeira que coloca em causa a soberania, velha e milenar, é bom lembrar quem somos de onde provimos.

O dificil, dificil mesmo, é ter a noção do essencial e do verdadeiro escalonamento das prioridades.

 

 

À Noite

 

Um dia destes um jovem amigo, com quem partilho o gosto de ouvir  Pedro Barroso, disse-me que esta lindíssima canção lhe trazia à memória a sua saudosa avó.

É verdade. Este belo poema evoca aqueles cabelos brancos da nossa infância, os olhos meigos que nos olhavam nos momentos de maior fraqueza e nos perguntava:

- Que é menino, que tens?

- Anda cá à avó, anda!

No aconchego de seu colo passava a mão pelos nossos cabelos rebeldes, uma e outra vez, murmurando:

- Pronto, pronto já passou!

- Vai lá que isso não é nada!

E lá partíamos correndo desbravando esse mundo inteiro que se abria à nossa frente.

 

Divido por todos nós e por todas as rugas e cabelos brancos das nossas infâncias, a música e a voz  deste trovador de Portugal, Pedro Barroso.

 

 

 

 

Caravela Sagres St MManuela e Creoula

João Pita

painel06
painel06
painel06

Links

Identidade

Pescadores da Cova-Gala, *****Cédulas marítimas *. Videos

Videos

Músicas roladas n'areia

Viagens passadas

painel06

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.